Como conquistar a Autoliderança


Quanto ar você quer dar para essa vida? Respirar com consciência é um dos principais instrumentos para potencializar suas competências comportamentais

Não é de hoje que as pesquisas ligadas ao mercado de trabalho ressaltam as atitudes comportamentais como decisivas e fundamentais nas conquistas profissionais. Conhecimentos técnicos são pré-requisitos importantes e isso é indiscutível. Mas o que, de fato, permite a um profissional apresentar desempenho acima do comum está muito mais relacionado às suas habilidades pessoais ou, mais especificamente, à sua capacidade de Autoliderança e de gerenciamento interno.

Em que você é realmente bom? Em que é realmente ruim? Como se comporta em uma situação de estresse? De cobrança? O que tem feito para motivar, estimular um colaborador? Como obtém envolvimento dos colegas de trabalho, da equipe ou do chefe para aprovar suas ideias? Aliás, você troca suas ideias com os colegas de trabalho ou apenas com seu supervisor? Ou, ainda, simplesmente as impõe?

Afinal, como você gerencia seu comportamento e suas emoções? E frente aos desafios ou adversidades novas? É desta liderança interna que falo. Autoliderança nada mais é que a capacidade de reger os recursos internos que potencializam seu comportamento, em qualquer área da vida.

Quando você desenvolve um olhar aguçado sobre si mesmo, fica apto a descobrir que, em muitas situações, está apenas reagindo aos ambientes e às suas próprias crenças, sem se dar conta do que suas atitudes estão fazendo, primeiramente com você mesmo e, depois, com os que estão ao seu redor: hostilidade, competição, improdutividade, cobrança, exigência, mau humor.

Liderança interna requer que você conheça seus pontos fortes e fracos, e isso se dá com Autoconhecimento – que, por sua vez, exige disciplina e esforço. Primeiro, para se observar, porque não basta simplesmente dizer: “Ok, agora estou me observando”. E, depois, para trabalhar os pontos em que você pode ser melhor. Em suma, é necessário prática. Exercitando a Autoliderança é que você a incorpora no dia a dia.

Como especialista em gestão comportamental, posso afirmar que há caminhos que podem auxiliar a nos olharmos com franqueza e trabalharmos em favor de nossas competências emocionais, mas não há uma receita de bolo que traga resultados prontos e imediatos.

Respire fundo
Tenho experimentado, nos últimos anos, alguns instrumentos úteis para o desenvolvimento da liderança interna. São como os primeiros passos. Vou começar pelo mais simples e, de tão simples, é capaz que você me pergunte: “Como assim?”. Eu respondo: Assim mesmo! Afinal, quem quer se olhar, precisa de tempo internalizado para si. Não do tempo corrido, do piloto automático, mas, sim, do tempo com consciência. Por isso, aí vai o primeiro exercício: a Respiração Consciente.

É claro que você respira, mas estou falando de respirar com atenção. Respirar sem força nem mudança, apenas com atenção. Isto diz respeito à maneira como o ar entra (pelo nariz ou pela boca?) e até onde o ar chega em seu corpo – lembrando que quem respira curto vive curto e tem comportamentos pouco criativos. Sua respiração é rápida? Respirar rapidamente lhe dá pouco tempo ao prazer e ao bem-estar. Se você respira pela boca, qual a função do seu nariz? Nariz “travado” leva menos oxigênio ao cérebro e, consequentemente, há mais cansaço no dia a dia e pouca disposição para sair da rotina.

Como você solta o ar? É fundamental expirar o ar ainda mais longamente do que inspirar. Ao soltar o ar, você libera toxinas. Portanto, se há mais inspiração do que expiração, o ar contaminado fica em você e não completa seu ciclo de oxigenação. Com isso, a sua saúde, de um modo geral, fica comprometida.

Pois é, respirar com intenção e prestando atenção lhe dá a oportunidade de parar por um ou dois segundos antes de tomar uma atitude. Quem já fez isso sabe o milagre que esses segundos podem fazer – e veja que estamos falando de apenas um ou dois segundos. Segundos de descanso e não de reação.

Uma simples respiração consciente permite a você que entre em contato com sua capacidade de escolha, independentemente de pessoas e fatos. Falo da sua própria capacidade, aquela que vem da sua melhor parte, da sua parte essencial, e que sabe que há mais vida para você viver e mais amor para você sentir, mas que está sem ser ouvida, pois, como disse, quando respira pouco, você vive pouco e se escuta pouco.

Num momento difícil, respire. Respire e escute o que está acontecendo com você. Em que está pensando e por que está pensando isso? Quais ações e decisões pode tomar neste momento? O que é melhor? Lembre-se: você tem escolhas.

Quanto ar você quer tomar dessa vida? Quanto ar você quer dar para essa vida? Então, anote o primeiro instrumento de consciência pessoal e Autoliderança: a Respiração Consciente.

Escreva um comentário:

[i]
[i]