O que o Autoconhecimento tem a ver com o seu bolso?


O fim de ano costuma trazer motivação extra para que as pessoas avaliem suas próprias vidas. Olhar para trás, ver os erros e acertos que se cometeu, relembrar as vitórias e as eventuais derrotas, tudo isso é mesmo um exercício extremamente importante para o nosso crescimento pessoal e profissional. Em 2016, no entanto, acredito que essa reflexão trará uma conclusão em comum para muita gente: quando o assunto é dinheiro, tudo poderia ter sido bemmm melhor (ou, pelo menos, diferente). A crise econômica pela qual o Brasil passa, é claro, sustenta a minha afirmação. Mas não podemos dizer que esse fator é o único responsável por todas as dificuldades financeiras.

Sabe, nessas mais de três décadas em que atuo como especialista em desenvolvimento humano, tive a oportunidade de constatar quão notória é a diferença entre pessoas prósperas e pessoas que passam a vida sem alcançar sucesso nessa área.

O primeiro grupo tem uma relação muito mais positiva com o dinheiro e com aquilo que traz dinheiro; na realidade, na vida desses indivíduos, a prosperidade se manifesta de todas as formas possíveis. Já o segundo grupo, via de regra, acredita que ganhar dinheiro é difícil, que é preciso imenso esforço para tê-lo, que ter dinheiro é sinônimo de arrogância ou prepotência, e que, em suma, nunca será capaz de enriquecer (e, afinal, quem gostaria de enriquecer diante de tantas objeções?).

Mas, não se engane: esse segundo grupo não diz e nem sequer sabe disso claramente. É algo inconsciente. As suas frases preferidas são: “eu trabalho muito, mas a recompensa nunca vem”; “quando melhoro de vida, algo de ruim acontece e volto para a estaca zero”; “se eu tivesse dinheiro, todos os meus problemas se resolveriam”. Daria para escrever um livro apenas com as frases limitantes que essas pessoas reproduzem sem nem mesmo perceber o poder do que estão dizendo!

Quais comportamentos aprisionam seu sucesso?

O que eu quero lhe contar hoje é que, mesmo sem perceber, todos nós fomos condicionados a determinados comportamentos, inclusive no aspecto financeiro. Foi lá atrás, na infância, que aprendemos absolutamente tudo o que sabemos hoje.

Então, eu tenho algumas perguntas para lhe fazer: como seus pais lidavam com trabalho e dinheiro quando você era criança? O que eles lhe ensinaram sobre esse assunto? Você os ouviu dizer que “dinheiro era sujo” – a frase “vá lavar as mãos, porque você estava mexendo com dinheiro” lhe é familiar? Eles diziam que era preciso guardar, economizar ao máximo, para se prevenir para o futuro? Gastavam tudo sem o menor planejamento e, depois, enfrentavam sérias dificuldades? Odiavam ir ao trabalho, mas mantinham-se firmes porque ‘não tinha outro jeito’? Conte para mim: o que você aprendeu e como isso se reflete no que faz hoje com a sua carreira e com o seu dinheiro? E, mais: com a sua própria vida?

Sinto lhe dizer, mas tudo isso que você aprendeu continua aí com você. Mesmo que faça exatamente o oposto ao que eles lhe ensinaram, ainda assim, você continua condicionado(a). A boa, aliás, a excelente notícia é que dá para sair desse padrão. Ao responder minhas perguntas, você já deu o primeiro passo: começou a conhecer a si mesmo(a) e a perceber de onde vêm seus comportamentos. Ao ganhar consciência de por que você faz o que você faz, poderá escolher manter ou abandonar seus padrões. Poderá adotar uma nova postura até encontrar a que realmente lhe traga bons frutos. É treino, persistência e dedicação. Assim como você aprendeu, poderá desaprender e reaprender uma nova forma de ser, mais próspera e mais positiva.

Se você quiser entrar em 2017 com uma nova disposição, com mais abertura para conquistar o que é seu por direito, tenho um convite a lhe fazer. Atendendo a pedidos, eu e minha equipe vamos realizar mais uma turma do curso “Dinheiro e Vida” nos dias 10 e 11 de dezembro. É um fim de semana em que você terá a oportunidade de se conectar ao seu bem-estar e sucesso. Se quiser saber mais, acesse: http://www.processohoffman.com.br/cursos/dinheiro-e-vida. Ou, então, escreva para mim: [email protected]. Conte-me sua história. Tenho muito mais a lhe dizer e mostrar sobre o seu caminho rumo à prosperidade.

Escreva um comentário:

[i]
[i]